Terça-feira
26 de Outubro de 2021 - 

Newsletter

Atualizações Jurídicas

Admitido IRDR sobre processos envolvendo saúde de crianças e adolescentes

Os Desembargadores integrantes da 2ª Turma Cível - Primeiro Grupo Cível do TJRS decidiram admitir o Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas proposta pela Defensoria Pública do RS, em razão da pergência de entendimentos sobre a competência para o julgamento de ações de saúde ajuizadas em favor de crianças e adolescentes. A decisão foi unânime. Segundo a instituição, o pedido foi baseado em “inúmeras decisões pergentes em 1º e em 2º graus de jurisdição, inclusive decisões recentes que ora decidem pela competência do Juizado da Infância e Juventude, ora decidem pela competência do Juizado Especial da Fazenda Pública, sendo inequívoca a efetiva repetição de processos que contêm controvérsia sobre a mesma questão unicamente de direito”. No Juízo do 1º grau o pedido foi indeferido e a DPE recorreu ao TJRS, através de um agravo interno. Decisão O relator do processo, Desembargador Marco Aurélio Heinz, afirmou que o objetivo do IRDR é assegurar o tratamento isonômico aos jurisdicionados que apresentem a mesma demanda em iguais circunstâncias, garantindo a segurança jurídica. “Em decorrência do grande número de processos em que foi analisado o mesmo conflito – competência do Juizado Especial da Fazenda Pública e Juizado da Infância e Juventude para julgar ação objetivando o fornecimento de tratamento médico e/ou fornecimento de medicamentos, em que a parte autora é menor -, fica patente a efetiva repetição de processos. Outrossim, inconteste que é questão que somente envolve matéria jurídica”. Conforme o voto do relator, as informações apresentadas pela DPE mostram que Desembargadores de algumas Câmaras do TJRS estão entendendo que a competência é do Juizado Especial da Fazenda Pública. Porém, decisões mais recentes, estão acompanhando o entendimento das Cortes superiores de que a competência do Juizado da Infância e Juventude para apreciar pedidos referentes crianças e adolescentes é absoluta. “Os mais recentes julgados deste Tribunal entendem pela fixação da competência do Juizado da Infância e da Juventude para processar e julgar as demandas objetivando o fornecimento de tratamento médico e/ou fornecimento de medicamentos, quando a parte autora é menor”, destacou o relator. O Desembargador Heinz também firma que diante das decisões conflitantes referidas pela Defensoria Pública, há quebra da isonomia e da segurança jurídica. “É possível concluir que a previsibilidade do resultado quanto ao Juízo competente fica afetada de forma considerável, sendo necessário o alinhamento dos entendimentos”. Assim, o relator decidiu por admitir o IRDR, sem suspensão dos processos, pois entende que o debate é sobre a competência para julgamento e não o direito material aplicável para a resolução do processo. “Nesse contexto, a suspensão de um grande número de feitos envolvendo o interesse de menores relativos à saúde pública importaria risco de prejuízo social irreparável”. O IRDR será agora processado e o mérito da questão será julgado pelo relator Heinz e demais Desembargadores do Colegiado. Processo nº 70084438670
23/09/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.